Cobertura de eixos nos barcos reduz escalpelamentos

0

A Lei 11.970/2009, de prevenção ao escalpelamento nos acidentes ribeirinhos, completa 7 anos nesta quarta-feira, 6.

 

A lei obriga instalar uma proteção no volante e no eixo dos motores estacionários adaptados à navegação na Amazônia. Depois que foi sancionada e das campanhas de conscientização e de cobertura dos volantes e eixos em campanhas do mandato da deputada federal Janete Capiberibe (PSB/AP), da Associação das Mulheres Ribeirinhas Vítimas de Escalpelamento e da Marinha do Brasil, os acidentes foram reduzidos a 1/5 na foz do Rio Amazonas e chegaram a zero no Amapá. A cobertura do volante e do eixo pode ser instalada na Capitania dos Portos.

janete_mulheres

O projeto de lei foi apresentado em 2007, pela deputada Janete, a pedido das mulheres vítimas de escalpelamento, que fizeram manifestação no Salão Verde da Câmara e participaram da II Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres. Tramitou na Câmara e no Senado e, em 6 de julho de 2009, foi sancionada pelo presidente em exercício, José Alencar.

Cidadania

Em 2012, o Governo do Amapá realizou mutirões de cirurgias reparadoras, junto com a Sociedade Brasileira de Cirurgias Plásticas e a Defensoria Pública da União. Sessenta e quatro mulheres passaram por três etapas das cirurgias plásticas reparadoras. O Governo do Estado deu a elas atendimento integral, com acompanhamento psicológico e social e pagamento de bolsa mensal de meio salário para cumprirem integralmente o tratamento médico. Custeou, inclusive, a hospedagem e alimentação em hotel nos períodos entre os procedimentos cirúrgicos.

cirurgias

Projetos

Para estender esse tipo de atenção a todos os lugares do País onde haja esse tipo de mutilação, a deputada Janete apresentou, na Câmara, o Projeto de Lei 3397/2012 para que o SUS pague todos os custos das cirurgias plásticas reparadoras às vítimas. O projeto já foi aprovado na Comissão de Seguridade Social e Família e aguarda relatório na Comissão de Finanças e Tributação.

Escalpelamento

O acidente com escalpelamento na navegação ribeirinha acontece quando o cabelo enrosca no volante e no eixo dos motores estacionários adaptados aos barcos, arrancando parcial ou totalmente o couro cabeludo, da nuca e da testa, mutilar e arrancar orelhas e pálpebras. A maior incidência é na foz do Rio Amazonas. Crianças, adolescentes e jovens do sexo feminino, incumbidos de retirar a água do assoalho dos barcos ou quando apanham algum objeto que tenha caído, são a maioria das vítimas. Alguns homens também sofrem escalpelamento ou mutilações.

Leave A Reply

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com