} })(); window._fbq = window._fbq || []; window._fbq.push(['track', '6029630809151', {'value':'0.00','currency':'BRL'}]);

#TodosPelaAmazônia repudiam extinção da Renca pelo governo Temer

0

 #TodosPelaAmazônia é a palavra de ordem da manifestação no Congresso Nacional, nesta quarta, 30, para repudiar o decreto 9.147/2017, pelo qual o presidente Michel Temer extingue a Reserva Nacional de Cobre e Associados – RENCA para entregar à mineração privada uma área de 4 milhões de hectares, no Amapá e no Pará. Senadores, deputadas, deputados e defensores do meio ambiente que integram a Frente Ambientalista participaram do ato.

Nesta terça, 29, o juiz Rolando Spanholo, da 21ª Vara Federal de Brasília, determinou a suspensão dos efeitos de “todo e qualquer ato administrativo tendente a extinguir a Reserva Nacional do Cobre e Associados (Renca)”, mas há possibilidade de recurso.

No evento que teve a presença da atriz Maria Paula, a deputada federal Janete Capiberibe (PSB/AP) anunciou o Projeto de Decreto Legislativo 751, que apresentou na terça, 29, para anular o decreto presidencial, e a realização de audiência para debater os efeitos nocivos da extinção da RENCA. A deputada socialista defendeu o modelo de desenvolvimento econômico sustentável, cujo projeto foi implantado no Amapá pelo então governador, hoje senador João Capiberibe.

Ela denunciou que, em 2012, viajou à Terra Indígena Waiãpi, no Parque do Tumucumaque, e ouviu dos indígenas a notícia que o vice-presidente Michel Temer estivera lá, de helicóptero. “Não anunciou na agenda, não chegou na aldeia, não falou com ninguém. Agora sabemos o que ele foi fazer lá”.

A extinção da RENCA recebe protestos no Brasil e no exterior – organizações ambientais, movimentos sociais, as Igrejas Católicas do Canadá e do Amapá, que publicou nota contra o decreto, no final de semana. Com a repercussão negativa, Temer publicou novo decreto, que anulou o 9.142 e republicou a extinção da reserva. “Se o objetivo era nos desmobilizar, Temer não conseguiu”, afirma Janete.

Neste sábado, 02, o Congresso Estadual do PSB será transformado em ato em defesa da RENCA e dos povos que a habitam e contra os decretos de Michel Temer.

Nove áreas protegidas e terras indígenas ficam na Renca: o Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, as Florestas Estaduais do Paru e do Amapá, a Reserva Biológica de Maicuru, a Estação Ecológica do Jari, a Reserva Extrativista Rio Cajari, a Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Iratapuru e as Terras Indígenas Waiãpi e Rio Paru d`Este. Três povos indígenas –  Waiãpi, Apalai e Waiana – além de comunidades extrativistas vivem na reserva que existia desde 1984.

Leave A Reply