Vai beijar muito? Veja os riscos para a sua saúde

0

Beijar faz tão parte da festa de Carnaval quanto o samba, o axé, o frevo e as marchinhas. Além de liberar endorfina — hormônio que dá sensação de prazer e bem-estar –, um beijo “bem dado” pode até queimar, em média, 12 calorias. Mesmo com tantos benefícios, beijar também tem suas “desvantagens”, se é que podemos falar assim… É que algumas doenças são transmitidas justamente pela boca e saliva, portanto, as chances de quem beija muito – e muitas pessoas diferentes – ser infectado é maior. Por outro lado, nenhuma dessas doenças é grave

 

A mais comum delas é a mononucleose — que também é conhecida como doença do beijo — e é causada pelo vírus Epstein-Baar que se aloja na região da amígdala. Os principais sintomas da doença, segundo a infectologista Eliane Tiemi Iokote, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, podem ser confundidos com o de uma virose qualquer, pois são febre alta, dor de garganta, de cabeça, dores musculares e ínguas.

Celso Granato, infectologista do Fleury Medicina e Saúde, conta ainda que algumas pessoas infectadas podem apresentar vermelhidão pelo corpo, semelhante ao que ocorre no sarampo e na rubéola, e icterícia (cor amarela da pele e do branco dos olhos).

“A mononucleose não é uma doença que dura apenas dois ou três dias, às vezes, o paciente pode sentir os sintomas por até três semanas, fica “derrubado”, mais cansado, e precisa descansar, pois o vírus também se aloja em algumas células do fígado e do baço, que é considerado um órgão frágil. Se a pessoa melhora um pouco e já quer praticar atividade física, por exemplo, ela pode bater o corpo em algum lugar e romper o baço”, diz Granato.

O infectologista afirma que esse rompimento é raro, mas que é por conta disso que é necessário pelo menos 15 dias para poder voltar às atividades normais, como trabalhar.

Como ainda não existe uma vacina para impedir a contaminação deste vírus, a única opção para os pacientes é tratar os sintomas, ou seja, se o paciente está com dor no corpo, tomará um analgésico e assim por diante. “Este vírus se ‘desativa’ sozinho, pois a partir do momento que o corpo o adquire, ele nunca mais sai do organismo. As vezes seguintes que o vírus for ativado, os sintomas serão mais brandos”, afirma.

Granato reconhece que deixar de beijar não é uma opção, mas diminuir a quantidade de parceiros pode ser uma boa maneira de terminar o Carnaval sem ficar contaminado. “Quando o folião reduz o número de parceiros, estatisticamente a chance de se pegar o vírus da mononucleose é menor. Outra opção é fazer um exame de sangue para descobrir se já teve este vírus, pois caso já tenha tido, não é possível ser contaminado novamente”, afirma.

Herpes

Já a herpes simples, outra doença que pode ser transmitida pelo beijo, pode ter os sintomas visíveis. Veja se o(a) parceiro(a) está com uma lesão ativa (bolhas pequenas e doloridas na região dos lábios). Dessa forma, fica mais simples evitar o contágio, mesmo que ele/ela seja um(a) gato(a), a recomendação é deixar para lá e buscar outro (a) na folia.

Infelizmente esta atitude não garante que você não será contaminado pelo vírus — que é da mesma família da mononucleose, pois segundo os infectologistas ouvidos pelo UOL, a transmissão ocorre mesmo quando o “portador” não está com nenhuma lesão aparente.

A maioria das pessoas já teve contato com o vírus, mesmo que ele nunca tenha se manifestado. “Mais de 96% das pessoas tem sorologia positiva para herpes, pois em algum momento já teve contato com o vírus, no entanto, não se sabe o porquê às vezes ele se manifesta em algumas pessoas e não em outras”, diz Ricardo Cantarim Inacio, infectologista do Hospital Santa Cruz de São Paulo.

Segundo o infectologista Granato, existem certas situações que fazem o vírus ser reativado. “Uma delas é tomar muito Sol, que faz com que o organismo reaja e reative esse vírus, a menstruação, devido aos ciclos hormonais durante este período, e o estresse. É por isso que muitas noivas que tem o vírus do herpes simples acabam tendo as feridas próximo da data do evento”, diz.

O principal sintoma da doença é a lesão nos lábios, mas também é possível ter dores no local e um pouco de febre. O tratamento é simples: uma pomada ou um comprimido receitado pelo médico, que faz o diagnóstico clinicamente — não é necessário fazer nenhum tipo de exame, basta que o profissional observe a ferida.

Situações mais raras

Existem algumas outras doenças que também podem ser transmitidas pela saliva, mas em situações mais excepcionais, dentre elas a sífilis, uma DST (Doença Sexualmente Transmissível). “Uma pessoa portadora da bactéria pode ter uma lesão na boca não dolorosa e eliminar a bactéria pela região. Caso ela beije algum parceiro, ele pode ficar infectado. Claro que essa situação é mais rara do que a mononucleose e a herpes, mas também pode acontecer”, diz Granato.

As primeiras lesões na pessoa que foi contaminada aparecem entre três e quatro dias e o tratamento é feito com altas doses de penicilina em qualquer hospital.

Uma outra doença que também pode ser transmitida pela boca é a gripe, mas para isso é preciso que a pessoa que você beijou esteja incubando a doença para que ela possa ser transmissível. “A questão da sazonalidade dessa doença também diminui as chances de ela ser transmitida durante o Carnaval. É que normalmente a incidência da gripe começa no fim de maio até setembro”, afirma Iokote.

Leave A Reply

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com