CBF abriu mão de Neymar para convencer Barcelona a ter o craque nas Olimpíadas

0

Entidade busca argumento forte para se fortalecer na caça do ouro inédito

 

A Confederação Brasileira de Futebol decidiu perder Neymar na Copa América para contar com ele nos Jogos Olímpicos do Rio. É o que revelou ao Correio uma fonte ligada ao jogador e à CBF. Em meio à crise gerada pelo dia de fúria do craque diante da Colômbia no jogo da quarta-feira passada, várias reuniões de emergência no Brasil e no Chile foram convocadas para gerenciar a crise. No sábado anterior à vitória sobre a Venezuela, a comissão técnica aceitou puxar o freio de mão, ou seja, não apresentar recurso à Câmara de Apelações da Conmebol de olho no futuro. A tática passou a ser antecipar as férias do capitão e camisa 10 a fim de ter um argumento forte na tentativa de convencer o Barcelona a liberá-lo para participar da caça à inédita medalha de ouro. O clube catalão não tem obrigação nenhuma de ceder o funcionário a Dunga de 5 a 26 de agosto de 2016.

A decisão da CBF foi friamente calculada. A diretoria do Barcelona estava insatisfeita com a possibilidade de não contar com quatro dos seus titulares — Messi, Neymar, Daniel Alves e Mascherano — no início da temporada 2015/2016. Todos teriam dias a mais de férias após a Copa América e ficariam fora, por exemplo, da decisão da Supercopa da Uefa entre o Barcelona, vencedor da Champions League, e o Sevilla, campeão da Liga Europa.

A liberação de Neymar deu crédito à CBF com o Barcelona. O atacante poderá disputar a final da Supercopa da Uefa marcada para 11 de agosto, em Tbilisi, na Geórgia. O comando azul-grená festejou. Até então, Luis Enrique só poderia contar, no ataque, com o uruguaio Suárez — fora da Copa América por causa da mordida em Chiellini no Mundial de 2014. Como a participação de Messi no jogo está descartada, o ataque terá, ao menos, Suárez e Neymar.

Dunga e o coordenador de seleções querem evitar incidentes diplomáticos com clubes europeus — principalmente o Barcelona — antes das Olimpíadas. Por isso, optou por largar na frente da arquirrival. O possível técnico da seleção olímpica da Argentina, Humberto Grondona, deixou claro na conquista do Sul-Americano Sub-20 que conta com Messi e Mascherano nos Jogos Olímpicos. Ambos são colegas de Neymar no Barcelona. A guerra fria de Brasil e Argentina com o Barcelona pela liberação dos seus xodós começou com a liberação de Neymar da Copa América.

Trauma

Dunga cedeu com base na péssima experiência antes das Olimpíadas de Pequim-2008. Ele também acumulava as seleções principal e olímpica, e esperava contar, à época, com o xodó Kaká. Inclusive, inseriu o nome do jogador na pré-lista. O Milan bateu o pé e não liberou o melhor do mundo.

Foi a senha para o início de uma desgastante queda de braço entre Dunga e Kaká. O técnico esperava que o meia peitasse o clube italiano para ir à China. O jogador acatou a posição do Milan e desagradou ao técnico da Seleção. Irritado, Dunga mandou até recado a Kaká. “Antes de qualquer coisa, o jogador tem de estar disposto e querendo atuar pela Seleção Brasileira sempre. É o que o Robinho está mostrando”, comparou.

A situação piorou quando o então primeiro-ministro da Itália e mandatário do Milan, Silvio Berlusconi, cometeu uma indiscrição durante um encontro oficial com o então presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. “Kaká não quer ir à Olimpíada porque está muito cansado”, entregou à imprensa brasileira. Dunga sonhava com Kaká e Robinho em Pequim-2008 na cota dos três jogadores acima dos 23 anos. No fim, teve de engolir Ronaldinho Gaúcho. Em baixa, R10 foi convocado ao vivo no Jornal Nacional pelo então mandatário da CBF, Ricardo Teixeira.

Do Correio Braziliense

Leave A Reply

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com