EUA, Reino Unido e França atacam Síria em retaliação a suposto uso de armas químicas por Assad

0

Com o apoio do Reino Unido e da França, os Estados Unidos lançaram bombardeios contra instalações que produzem, armazenam e distribuem armas químicas na Síria

A operação é uma resposta às evidências de um ataque químico na cidade síria de Douma, na semana passada. EUA e aliados denunciam que o ataque teria sido protagonizado pelo regime do presidente sírio, Bashar al-Assad, que por sua vez nega tal participação.

“Uma operação combinada com as forças armadas da França e do Reino Unido está em andamento”, disse o presidente Trump em discurso em rede nacional.

As forças armadas dos três países bombardearam múltiplos alvos governamentais durante a operação.

Segundo o Pentágono, foram atingidos um centro de pesquisas científicas em Damasco, que seria ligado à produção armas químicas e biológicas, um local de armazenamento de armas químicas a oeste de Homs e outro armazém que também funcionava como importante posto de comando, na mesma região.

A televisão estatal síria informou que as forças do governo derrubaram um terço do total dos mísseis lançados.

Rússia se diz ameaçada

Segundo o secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, a primeira leva de bombardeios foi finalizada “sem perdas”.

“Estamos preparados para sustentar essa resposta até que o regime sírio deixe de usar agentes químicos proibidos”, disse o presidente Trump, mais cedo.

A primeira-ministra Theresa May confirmou o envolvimento britânico, dizendo que “não havia alternativa prática ao uso da força”.

May também afirmou que os ataques não almejam uma “mudança de regime” na Síria.

Principal aliado do regime sírio, a Rússia divulgou comunicado assinado pelo embaixador nos Estados Unidos, Anatoly Antonov.

“Novamente, estamos sendo ameaçados. Nós já avisamos que ações como esta não ficarão sem consequências. Toda a responsabilidade por elas está com Washington, Londres e Paris.”

‘Guerra’

Os ataques foram aprovados contra “alvos associados a instalações de (produção de) armas químicas” do governo sírio, segundo Trump.

O presidente americano afirmou que o propósito é “dificultar a produção, disseminação e uso de armas químicas”.

“Estas não são ações de um homem, são os crimes de um monstro”, disse Trump sobre o presidente sírio Bashar al-Assad.

A Síria negou envolvimento com o ataque químico e a Rússia, sua aliada, alertou que ataques militares do ocidente corriam o risco de dar início a uma guerra.

‘Flagrante violação’

A imprensa estatal síria chamou os ataques de “uma violação flagrante da lei internacional”.

Uma fonte não identificada ouvida pela agência oficial de notícias Sana disse: “Quando os terroristas fracassaram, Estados Unidos, França e Reino Unido intervieram e cometeram uma agressão contra a Síria”.

“A agressão americana, francesa e britânica contra a Síria fracassará”, acrescentou a fonte.

Segundo a Sana, os ataques atingiram um centro de pesquisa no nordeste de Damasco, assim como instalações militares na capital.

Mísseis tendo como alvos depósitos militares em Homs foram interceptados, acrescentou a agência de notícias.

Reações

Os bombardeios provocaram reações polarizadas.

Aliado dos Estados Unidos, o Canadá apoiou a operação.

O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, condenou o que chamou de “uso de armas químicas” pela Síria.

Segundo a emissora pública canadense CBC News, Trudeau disse que o Canadá continuaria a atuar junto com seus aliados internacionais e levar os responsáveis “à justiça”.

Já Rússia e Irã, os principais aliados da Síria, subiram o tom contra os bombardeios.

O governo russo alertou que os Estados Unidos deveriam esperar algum tipo de retaliação pelos ataques.

Por meio de um comunicado, o embaixador da Rússia nos Estados Unidos, Anatoly Antonov, disse que “tais ações não serão deixadas sem consequências”.

O Ministério de Defesa russo afirmou que os ataques não atingiram áreas perto das bases aéreas e navais da Rússia na Síria.

“Nenhum dos mísseis lançados pelos Estados Unidos e seus aliados entraram na zona de responsabilidade das defesas aéreas russas que protegem instalações em Tartous e Humaymin”, informou a pasta em nota, segundo a agência de notícias RIA Novosti.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, classificou os ataques como “um ato de agressão” e pediu a convocação de uma reunião de emergência na ONU.

Em 2015, a campanha aérea lançada pela Rússia em apoio ao presidente Bashar al-Assad provou-se crucial para virar a maré a favor do líder sírio.

Já o Irã, o principal aliado da Síria no Oriente Médio, denunciou “uma agressão tripla” e também alertou para “consequências regionais”, informou a TV al-Manar, controlada pelo grupo extremista Hezbollah.

Segundo a agência de notícias AFP, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do país, Bahram Ghasemi, afirmou que “os Estados Unidos e seus aliados não têm prova e, sem sequer esperar por uma posição da Organização para a Proibição às Armas Químicas, realizaram este ataque militar…e são responsáveis pelas consequências regionais (dele)”.

O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, engrossou o coro. Para ele, o ataque contra a Síria é um “crime sem ganhos”.

Khamenei também acusou de “criminosos”, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o presidente da França, Emmanuel Macron, e a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May.

Acredita-se que o Irã tenha deslocado centenas de militares e gastado bilhões de dólares para ajudar Assad durante a guerra civil.

Milhares de milicianos muçulmanos xiitas armados, treinados e financiados pelo Irã – muitos dos quais integram o grupo extremista Hezbollah, mas também do Iraque, Afeganistão e Iêmen – também vêm ao lado das forças do governo sírio.

Leave A Reply

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com